Dom Roque cita o Papa: Povos indígenas nunca estiveram tão pressionados

O arcebispo de Porto Velho/RO e presidente do Conselho Indigenista Missionário/Cimi, dom Roque Paloschi, afirmou, nesta quinta-feira, em Roma, que os povos originários nunca estiveram tão pressionados como na atualidade. Durante o painel “Povos indígenas e luta pela terra”, o bispo que participa do Sínodo para a Amazônia pôde apresentar a realidade dos povos originários do Brasil.

O evento ocorreu no Centro Internacional Juvenil San Lorenzo, na perspectiva da Tenda Amazônica Casa Comum, uma série de eventos com o objetivo de sensibilizar a Igreja e a sociedade sobre a realidade indígena, além de contribuir para as reflexões sinodais. Nesta primeira mesa, foi exposta a “realidade dos povos indígenas na Amazônia em uma conjuntura de retrocessos, desafios, ameaças e resistências”.

“Existe muito roubo de madeira nas nossas terras, loteamento e venda, empresas de minérios dentro das nossas terras e, recentemente, após o presidente ganhar a eleição, tem aumentado muito as invasões nas terras Karipunas, muito mesmo”, conta Adriano Karipuna, cujas terras se encontram em Rondônia.

Não só o território é ameaçado, as pessoas também: “Eu na posição de líder já sofri ameaças de morte e ameaças ao meu povo, que a qualquer momento [os invasores] devem chegar e massacrar todo povo Karipuna”, relata Adriano, que afirma ter feito denúncias ao Ministério Público e à Polícia Federal.

O indígena ainda fez questão de reforçar a necessidade de respeito aos direitos indígenas conquistados por seus ancestrais. “Dizem que a gente não precisa desse direito. Nós sabemos que além de direito é dever termos o território, é dever a saúde indígena. E todos esses direitos conquistados por nossos ancestrais estão sendo desrespeitados e isso é muito ruim”, afirmou.

Perguntado como o Sínodo para a Amazônia pode favorecer para a promoção e proteção da vida dos povos indígenas, o presidente do Cimi, dom Roque Paloschi, citou o desafio de se pensar numa presença da Igreja “que seja sincera com os caminhos” das comunidades. Informou aos participantes que o Papa se alegrava que agora são próprios povos que definem seus caminhos, as suas histórias, projetos de vida.

“E disse também: ‘por mais que a Igreja faça, ainda vai ser pouco pelos povos indígenas’. Mas ele também disse que ‘talvez na história da humanidade, os povos originários nunca estiveram tão pressionados como estão agora’. Este é o retrato, este é o sofrimento, esta é a humilhação”, afirmou dom Roque citando o Papa Francisco.

O bispo ainda recordou os mais de 500 anos de resistência dos povos na história do Brasil e fez uma reflexão: “O verbo se fez carne, e a Igreja precisa armar sua tenda para estar junto com os povos indígenas neste momento tenebroso da história que estamos passando”.

A recusa às demarcações de terras indígenas pelo atual governo é um dos pontos mais fortes dessa resistência indígena. Ainda em sua fala, Adriano Karipuna lamentou esta escolha: “para nós é tirar nossa vida, é tirar de nós o que é mais sagrado. O povo indígena sem a terra não existe, sem a terra para trabalhar, sem o rio para ele pescar”.

Também participaram da mesa Jair Maraguá, liderança do Povo Maraguá, do Amazonas; Vitoria Tauli-Corpuz, relatora especial das Nações Unidas (ONU) sobre direitos dos povos indígenas; e Marline Dassoler, do secretariado nacional do Cimi, a mediadora da mesa. Durante o evento, outras pessoas ligadas à causa indígena também partilharam preocupações e esperanças na luta pela vida dos povos.

O evento foi transmitido ao vivo pelo Facebook: