Missão Claretiana na Diocese de Guajará Mirim - Rondônia

Da esquerda para a direita: Pe. Luís Garcia, Pe. José Roca, Pe Francisco Trilla, Cooperante Laura Verdaguer, Seminarista Jetro, Mady Huntzinger, Dom Benedito Araújo e Irmão José Maria

O legado da Família claretiana na organização evangelizadora da Diocese de Guajará Mirim é algo cativante, pela bravura missionária diante das exigências da época.    

A saber, “Dom Geraldo João Paulo Roger Verdier, foi consagrado em 1980 o terceiro bispo da Diocese de Guajará-Mirim – Rondônia e dele partiu o convite aos Claretianos da Catalunha para o estabelecimento de Missão em sua Diocese. Guajará-Mirim vivia novo rápido crescimento demográfico em virtude da chegada de migrantes oriundos, primeiro com migrantes da região nordeste em virtude do ciclo da borracha e agora da região sul do Brasil; com a expansão das fazendas em Estados como o Paraná baseada na mecanização e na adoção de culturas voltadas para a exportação acabou por dar origem a grande numero de agricultores sem terra. A região norte do Brasil apresentava-se como território de possibilidades para uma nova vida a milhares de brasileiros ligados aos trabalhos do campo.

A urgência colocada pela expansão demográfica exigiria do novo bispo de Guajará-Mirim planejamento que chamasse à sua Diocese novos religiosos e religiosas. A boa conversa entre Dom Geraldo e o Provincial Pedro Franquesa, cmf, garantiu a participação de Claretianos na Diocese. Desta forma, os missionários catalães que estavam ao serviço da Província do Brasil Central no Amazonas – municípios de Novo Aripuanã e Apuí – foram incardinados na nova Missão da Província da Catalunha e, em 16 de janeiro de 1982, criou-se a Missão de Guajará-Mirim com a chegada dos primeiros missionários claretianos: Padre Luís Garcia Vizcaíno e o Irmão José Maria Sala Coll; mais tarde, juntaram-se aos dois primeiros o Padre Francisco Trilla Folch e o Padre José Maria Collell – retornou em setembro de 1984 à Província do Brasil Central –, e, ainda em 1984, temos a chegada do Padre Pedro Jordá Sureda. Nos anos seguintes missionários catalães juntaram-se à Missão: Padre José Roca, em setembro de 1984, Padre Inácio Olivé. Em agosto de 1987, Padre João Font, em dezembro de 1987, Padre Miguel Mialet, em fevereiro de 1990, Padre José Iborra, em julho de 1993, Padre Francisco Pujol, em 1995, Padre Luís Llamas Céspedes, em 1998”. (Cf. Informativo da Província Claretiana do Brasil. Nº 129).

A Missão Guajará-Mirim criaria paróquias tais como a São Miguel Arcanjo no município de São Miguel do Guaporé e a de Cristo Rei no município de Seringueiras; fortaleceria outras tais como a de Nossa Senhora Aparecida em Guajará-Mirim e a de São Francisco de Assis em São Francisco do Guaporé, depois entregue aos padres diocesanos.

Hoje, 2019, A Comunidade claretiana em Guajará-Mirim é constituída pelo Padre Luís Garcia Viszcaíno - Ecônomo e Pároco de São Miguel e Pe. Jair Donizete – Vigário Paroquial; Padre Francisco Trilla Folch - superior e Pároco de Seringueiras Cristo Rei, e Ir. José Maria Sala.

Nos dias 16 e 17 de janeiro de 2019, chegou a Guajará Mirim os Padres: José Roca, Luiz Garcia, Francisco Trilla, o Ir. José Maria, o seminarista Jetro e a cooperante Laura (Espanha). O objetivo foi celebrar a criação da missão de Guajará – Mirim (16/01/1982).

Estes dias foram memoráveis, oportunidade para revisitar os amigos, as obras sociais, partilhar a vida, conviver e elevar ao alto o nosso coração cheio de gratidão.

+ Benedito Araújo

Bispo Diocesano de Guajará - Mirim

      Guajará – Mirim, 18/01/2019